sábado, 31 de março de 2012

Nós.


E se eu acorda-se hoje e perceber que tudo não passou de um mero sonho não sei se sorriria ou choraria;
...Odeio me afundar em algo que incerto... minhas tentativas de escapar todas tão em vão
Quando não estás aqui eu só queria acordar no passado e recomeçar.
Quando estás não posso me afundar na imensidão do seu olhar, para você já se tornou fácil me hipnotizar...

E tentei ser volúvel, tentei desaparecer em meio a multidão,
tentei mascarar meus sentimentos e crer que tudo estava bem...
e é chegado a dia que tudo se esvai de minhas mãos
...porque temo, não a ti,  mas temo a mim, temo a nós
temo aos sentimentos misturados que me confundem.

Fernanda Carolina B.




Aviso: . peço minhas humildes desculpas pela minha ausência
ultimamente ando passando por dias sufocantes, são muitos os trabalhos escolares e as provas para estudar;
Estou lendo um livro imenso que me toma por inteira,
.Agora tenho uma vida de verdade... não que antigamente fosse uma mentira...
mas agora me traz felicidade viver, enfim as vezes deixo de lado minha vida virtual  para ir viver a real
"aprendi que a realidade supera qualquer sonho."




quarta-feira, 28 de março de 2012

Demasiadamente.


 Tudo tão misturado... os meus sentimentos estão misturados, meus problemas, até minhas palavras
tudo o que me resta é fechar os olhos e dignar-me a dormir enquanto posso...
 Tentar clarear tudo o que está nublado...
mas já não me convém sequer dormir...
demasiadamente estressada, demasiadamente com raiva
demasiadamente de tudo...
Minha cabeça está latejando, e incrivelmente meu coração ainda pulsa...
eu deveria sorrir, deveria me animar e sim deveria estar demasiadamente sorrindo
...mas mal consigo permanecer de olhos abertos...
mal consigo pensar... um alguém roubou meus pensamentos todos para si
hoje acordei assim desanimada, acordei assim sem ter dormido o que me cabe
hoje acordei estressada
...mas não creia muito nas minhas palavras
quando estou demasiada em algo minha verdade se esvai e minhas palavras se modificam com o vento
e hoje estou demasiadamente dramática.

Fernanda Carolina B.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Calo-me.

 

Aprendi a me calar...  porque minhas palavras pertencem a minha mente
e minha mente não me pertence.

calo-me...
...porque sei que em dias de tristeza faço tempestades em como d'água
sei que em dias de felicidade faço promessas sem fundamentos

em dias de euforia meu medo se oprimi de tal modo
que me sinto em liberdade
falo demais e se muito falo então falo o que já não devo falar.

Em dias de tristeza minha euforia se ausenta...
falo palavras que não me pertencem
mudo meus conceitos, caio em mentiras que minha imaginação inventa
saio de mim... a ponto de não me reconhecer,

então calo-me para não ver as consequências se aproximarem

...consequentemente privo-me de viver.


Fernanda Carolina B.


desabafo: não sei se perceberam mas a dias não posto...
as vezes acabo caindo na minha ilusão de que estou perdendo a poesia
as vezes acredito que seria melhor parar deixar-me
privar-me das palavras... como se fosse possível já que nos dias de felicidade eu me considerava escritora
mesmo sabendo que o que sou se resume ao amor que sinto pelo que escrevo...
como bela amadora que sou certamente não deveria me ausentar nenhum dia de minha vida
não deveria me deixar levar pelo medo
não devo me deixar levar muito menos pelas criticas ridículas que volta-e-meia se fazem presentes
mas admito o medo que me faz querer desistir...
e então vos digo que continuo, continuo enquanto me convém, continuo enquanto me faz sorrir
continuo por continuar... continuo mesmo sem ter motivos.



sábado, 17 de março de 2012

Ignorante.

 

Sou ignorante pelo fato de não ter aprendido como amar;
Fui ignorante pelo fato de ter me confundido de tal maneira que uma mera obsessão parecia ser o amor...
...e se aquilo fosse amor então eu expulsaria qualquer sentimento de dentro de mim.

 Admito que errei por ânsia de acertar... mudei para esquecer os meus erros;
Mudei porque foi preciso mudar, mudei porque me satisfaz ser eu mesma.
 mudei e pelo fato de mudar já não sou um barco a deriva,
talvez nunca houvesse sido, mas acreditei que era, mesmo não sendo
...
Agora minha mente está gasta de pensar no mesmo...
E penso mesmo quando já se deveria esquecer... penso mesmo quando não me convém pensar.
 minhas palavras se perdem durante as suas,
e todas as suas palavras vão sendo gravadas em mim.
meu coração pulsa involuntariamente, penso involuntariamente (...)

... Involuntariamente sinto
e de tanto sentir... agora amo.

Fernanda Carolina B.


domingo, 11 de março de 2012

Odeio.

Eu... eu me contento com o pouco desde que o pouco seja por inteiro,
porque sou egoísta mesmo
odeio tudo que vem ao meio,
não quero meio amores, meias verdades, meios sentimentos
se for para ser que seja tudo ou então simplesmente nada.
se for para amar que seja para encher o coração de tal maneira que eu sorria em apenas lembrar de seu nome,
se for me dar meio amor, então ao invés de meio amor da-me a sua ignorância contanto que seja por inteira.
eu odeio esses amores platônicos surreais
entretanto odeio amores reais que são incertos,
odeio a normalidade, porque talvez o meu normal é não ser normal
odeio escutar músicas tristes que me fazem sentir mal
mas amo escuta-las depois de decepções
eu odeio o fato de amar-te
e amo não amar.


Fernanda Carolina B.

Obs:. eu odeio o fato de amar-te
 (porque temo a dor que um dia pode se suceder, se eu estiver me lançando em um mar de ilusão)
e amo não amar.
(eu amo o fato de não me manter acorrentada a ti, porque você não se sente acorrentando a mim, amo ser livre de coração... porque quando se ama se é dependente de um alguém, quando se é dependente eu já não me sinto livre.)

sábado, 10 de março de 2012

Insegurança.


Mas doí, chega a latejar de tanta dor;
Eu me encontro no espelho e o meu reflexo parece ser tão convincente, certamente apenas o meu reflexo...
...e se eu me despir de tudo, no meu interior irei encontrar tão mais do que um coração que guerreia cegamente com a mente.

o coração que já está absolutamente atordoado....  não suporto essa guerra
entre amar, ou, recuara... a ponto de disfarçar qualquer sentimento que me ponha em risco.
Anseio a sua mera presença... ou então a sua ausência, até que eu me esqueça...
esqueça não só de ti como de todo o resto...

...me sinto iludida por minha imaginação, que inventa historias que jamais se sucederam,
me sinto usada por esses sonhos, quando acordo sabendo que nada é real.

isso só aumenta o fato de que volta-e-meia antecipo o sofrimento,
as vezes sentindo uma dor que não pertença a mim...
as vezes trocando a felicidade por essa insegurança.

Fernanda Carolina B.

Medo


eu tenho medo...
-medo?
é, medo
-medo do que?
de tudo...
-tudo é muita coisa não acha?
é eu sei... sou exagerada mesmo
-aham sei, mas, de que você tem medo especificamente?
do futuro, sinto que meus passos estão me levando na direção errada
-então caminhe para o outro lado
e se o outro lado for ainda mais rápido para o abismo?
-você nunca irá saber se não caminhar...
...
-mas diga-me o que ocasionou tanto medo?
minha insegurança... não queria decepcionar ninguém não queria me decepcionar, cansei de todas essas pedras, cansei das pedras lançadas contra mim
-e por isso você vai parar de caminhar?
é, não quero mais decepções na minha vida
-e se a felicidade estiver a apenas dois passos daqui?
bem eu não irei encontra-la.....
-por mero capricho seu
não, por medo.
   *o medo destrói sonhos para aqueles que se deixam destruir, faz morada aonde quer que possa...
o medo é uma pequena pedra que para alguns se tornam montanhas...
talvez o medo seja apenas uma parte de nós que é resultante da insegurança... os obstáculos são feitos para supera-los... mas pouco a pouco o mundo foi se fazendo de vitima por mero capricho e agora já se esqueceram do que são capazes...

Fernanda Carolina B.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Batalha.



Eu, certamente perdida em meio um furacão... sei que uma vasta tempestade se aproxima
meus olhos marejados de lagrimas, de tal maneira que mal consigo esboçar um sorriso forçado,
a tristeza e melancolia batem a minha porta repetidamente,
percebo o que se sucede a minha volta...
cada qual se afundando no próprio 'mundinho'
e eu... apenas ouço a voz daqueles que passaram a me ver como inimiga,
vejo o grito de ódio nos olhares que se lançam ao meu encontro;
só queria que uma futilidade não se tornasse o mais vasto campo de batalha,
mas pouco a pouco vai se tornando...
eu poderia pedir mil desculpas, se em algum momento eu tivesse a culpa do que se sucede.
eu poderia ir em frente e fazer da batalha uma verdadeira guerra, e então me tornaria uma fútil
no meu desespero, a minha paz vem de um lugar inusitado
na minha angustia poucas palavras me aliviam...
sei quem são os que me perseguem... mas sei quem é meu escudo.
sei que o inimigo bate a minha porta constantemente.
As vezes posso parecer frágil, vulnerável (as vezes realmente sou) mas não esqueça (...)
meu escudo vem de Deus.

Fernanda Carolina B.


domingo, 4 de março de 2012

Feliz.


Escuto o barulho da chuva que cai ordenadamente no telhado 
Gota após gota, tão serenamente que se iguala a uma canção de ninar,
...percorro nos corredores da lembrança,
já que por mais que eu me esquive elas vão continuar em minha mente de alguma forma
tentando me enganar me dizendo que alguém por ai me ama incondicionalmente.
perambulo em meio duas personalidades...
Aquela que certamente está extinta, aquela que a unica coisa que restou foi a vaga lembrança de sua existência.
E esta que agora sucede-se em mim.
Sem muitas controvérsias reparo no que me tornei...
No entanto não me adianta comparar o hoje com o ontem,
 já que isso não prova absolutamente nada que seja muito importante,
apenas que ontem eu era uma pessoa e hoje sou outra.
Entretanto dentre as mais variadas mudanças que já passei, essa foi a mais significativa
essa foi uma mudança real em que do passado sobrou apenas lembranças, talvez nem isso.
Dentre todas as faces com que me apresentei ate então, essa é a que retrata perfeitamente quem sou...
assim defeituosamente e feliz de modo que nunca havia sido anteriormente (...)
bem... continuo volúvel, essa felicidade é totalmente incerta, confusa sem direção, não sei de onde ela vem e não sei se acabara mas agora o que importa não é minhas preocupações ou os problemas fúteis.
percebo que te fiz sorrir, e isso já me fortaleceu de um modo irremediável
em um momento de reflexão penso: 
Se for para viver que seja na extrema felicidade, se for para não ser feliz não valeria a pena viver.

Fernanda Carolina B.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...